Educação Financeira Familiar – Todos precisam remar para o mesmo lado!


Não adianta uma pessoa tomar atitudes positivas que visam a redução de custos e a geração de poupança, se o resto da família remar para o lado contrário, fazendo compras sem pensar e sem ter um planejamento financeiro que indica as metas e as ações a serem realizadas.


Esse artigo especial foi criado para você prosperar financeiramente, para que você consiga criar um planejamento em conjunto com a sua família, para que você não fique remando sozinho.


Vamos lá?


>>> Registre os seus gastos!


Comece organizando as suas despesas. Onde estão as suas despesas? Para saber, anote tudo, registre tudo que você gasta dia após dia, desde os gastos básicos, como aluguel ou parcela do financiamento imobiliário, supermercado, água, luz, telefone e até o picolé comprado na rua.

Você costuma sacar dinheiro no Banco e sair gastando por aí?


Então, passe sempre a guardar aqueles cupons fiscais para registrá-los no seu controle de despesas no fim do dia, só assim será possível ter a real noção de onde você gasta o seu dinheiro.


>>> Antecipe-se!


O início do ano costuma ser de gastos extras: IPVA, IPTU e matrícula escolar dos filhos. A ideia é fazer uma reserva ao longo do ano, ou do segundo semestre, para evitar o aperto no início do ano. Guarde um pouquinho por mês para quitar essas despesas extras à vista!


Mas, além destes gastos fixos que virão no futuro, o planejamento também vale para as despesas extraordinárias, como uma viagem de férias. Pode-se escolher períodos do ano onde as passagens e pacotes são mais em conta, assim como, conseguir descontos pelo simples fato de pagar com bastante antecedência.


>>> Pare e pense antes de gastar


Pense sempre na real necessidade de adquirir algum produto. Não compre pelo simples fato de haver “promoções com descontos imperdíveis”, como acontece, por exemplo, na Black Friday.


Na família há sempre alguém que é conhecido por comprar mais, ou não pensar antes de comprar. O consumo por impulso deve ser desestimulado. Uma dica para frear os gastos é incentivar o mais gastador a deixar o cartão de crédito em casa e ir às compras apenas com dinheiro vivo, e com o que comprar já decidido.


Outra coisa a ser analisada é a reavaliação de hábitos, por exemplo, é realmente necessário trocar de carro todo ano? É necessário mudar a decoração da sua casa a cada dois anos?


>>> Estabeleça metas de economia


Com o orçamento familiar mensal estruturado, chega o momento de definir quanto a família pode economizar por mês. Pode ser um valor fixo mensal, ou mesmo, um percentual das receitas, o importante é definir a meta e cumprir o planejado.


A educação financeira familiar vai além do controle de gastos, ela também envolve gerar dinheiro, e para isso, vale uma pesquisa no mercado financeiro para descobrir os investimentos mais rentáveis.


>>> Reveja hábitos e economize


Você sabia que as despesas fixas que temos todos os meses, como contas de água, energia e telefone, geralmente possuem margens para economia ao mudarmos um pouco os nossos hábitos? Medidas como demorar menos no banho, apagar as luzes quando sair dos cômodos e restringir o número de ligações por dia de cada familiar são regras eficazes para cortar gastos.


Coloque os filhos no jogo: será que há mesmo necessidade de fazer inúmeras atividades extraescolares (judô, natação, inglês, futebol)? Negocie com eles apenas uma ou duas atividades extras. E os pets também entram na brincadeira de economizar: que tal trocar os banhos em pet shop por banhos em casa?


>>> Engaje os filhos no orçamento familiar


Os filhos devem estar cientes da real condição financeira da família. Seja transparente quanto ao orçamento e convide-os para participarem do planejamento financeiro também. Com os filhos mais informados sobre a renda da família, é mais fácil ter a parceria deles no controle das despesas. Por que não incentivá-los a criarem suas próprias planilhas financeiras?


Além de deixá-los mais conscientes sobre os próprios gastos, é uma ótima forma de ensinar educação financeira familiar aos próprios filhos. Todos precisam remar para o mesmo lado, lembra?


Procure desde cedo ensinar aos filhos o valor do dinheiro. Eles precisam entender que é difícil ganhar dinheiro, mas gastar é muito fácil. Comece pelo incentivo de guardar parte da mesada que recebem. Ensine que o dinheiro cresce se investido. E não esqueça: os filhos têm grandes chances de repetirem em sua futura família a vida financeira familiar na qual cresceram. Por isso, tenha sempre em mente que você deve dar o exemplo e economizar junto.


>>> Começando agora mesmo...


Para que o dinheiro seja empregado corretamente e a família não passe por sufocos, a saída é ser bem realista, fazer as contas e economizar. Para você levar a Educação Financeira Familiar para a prática, existem as “7 Atitudes que Devemos Adotar para Falar Sobre Educação Financeira em Família”, clique aqui e comece já o seu plano familiar!


Espero que você consiga engajar toda a família rumo a um futuro financeiro mais próspero e sólido!


Edson Luiz Pocahi

PenseGrande.net/Educação-Financeira-Familiar

3 visualizações
  • YouTube
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • Pinterest
  • Instagram

© 2018 by PenseGrande.net           Fone/Whatsapp: (54) 98447 4494

0